Ajude a manter o blog. Faça sua contribuição de qualquer valor clicando no botão abaixo.

PALESTRAS E ENCONTROS

Sua paróquia ou sua comunidade precisa de formação, fale com seu pároco e entre em contato pelo e-mail: carloscasabela@hotmail.com .



sexta-feira, 4 de junho de 2010

CATEQUESE GRUPAL X ESCOLA


Durante muito tempo, os encontros de catequese foram vividos como se fossem aulas de catecismo. Obedeciam a um ritmo de escola e não de evangelização.

Na aula, o professor expõe um conteúdo que deve ser assimilado pelos alunos, com a possibilidade de questionamentos, ou não. Mas nem sempre há conversa entre o professor e aluno.

E nós catequistas, fazemos perguntas ao catequizandos para ouvir a sua opinião ou para induzí-lo a dar a resposta que queremos? Se perguntamos desejando uma resposta conveniente à transmissão do tema, o encontro se torna uma simples aula ou palestra.

No encontro, que sempre é catequese grupal, as pessoas se encontram para troca de saberes. Não é só um que aprende ou que ensina.

Acontece uma verdadeira revolução na catequese quando a relação "professor-aluno" é substituída por um diálogo autêntico entre catequista e catequizando.

Vejamos quais são as maiores diferenças entre uma escola = "aula de catecismo" e uma catequese grupal = "encontro catequético".


AULA DE CATECISMO:

* transmissão integral do conteúdo do livro de catecismo;

* fidelidade total ao conteúdo e às palavras do texto;

* o catequista é transmissor (professor) - é o centro das atenções;

* o catequizando é receptor (aluno), só ouve e assimila o conteúdo;

* a comunicação se dá em perguntas (do catequista) e respostas (do catequizando);

o aprofundamento das relações não é prioridade;

* há relações secundárias entre os catequizandos e, às vezes, até com o catequista;

* formação de grupinhos e amizades até atrapalha o esquema de "aula", pois pode favorecer conversas paralelas e desviar o interesse do tema.


ENCONTRO DE CATEQUESE:

* promove a vivência do amor fraterno no grupo;

* ilumina a vida do catequizando com a fé;

* fidelidade ao catequizando e sua realidade humana, como também à Jesus Cristo e à Igreja;

* o catequista é o animador do grupo, coordena o uso da palavra e estimula a participação de todos, e não é o centro das atenções;

* o catequizando participa ativamente e se compromete com a caminhada do grupo;

* a comunicação acontece em forma de diálogo, em que catequista e catequizando se revezam nos papéis de tranmissor e receptor;

* as relações humanas são as prioridades do grupo;

* há relações primárias - formação de amizades sempre mais profundas, entre os catequizandos e o catequista;

* há o respeito ao outro, numa dinâmica participativa e de corresponsabilidade.


Fonte: Folheto Ecoando nº 28 - formação interativa com catequistas - Editora Paulus.

Um comentário:

Jorge Ramiro disse...

Temos um grupo e nos encontramos uma vez por mês em ums restaurantes em Leopoldina. Se alguém quiser eu posso dar o endereço dos restaurantes na vila leopoldina