Ajude a manter o blog. Faça sua contribuição de qualquer valor clicando no botão abaixo.

PALESTRAS E ENCONTROS

Sua paróquia ou sua comunidade precisa de formação, fale com seu pároco e entre em contato pelo e-mail: carloscasabela@hotmail.com .



sexta-feira, 21 de novembro de 2008

SINAL DO REINO ENTRE NÓS


O QUE ENTENDEMOS POR “REINO DE DEUS”?
Esta expressão aparece mais de cem vezes nos evangelhos.
É necessário entender porque Jesus falava sobre o Reino. Na época de Jesus, existiam reis, reinos, reinados. O rei tinha poder absoluto sobre o povo e dizia que seu poder vinha diretamente de Deus.
Assim como hoje nós desejamos que o Brasil tenha um regime político mais justo, os judeus também aspiravam por um novo rei, na esperança de mudar o poder.
Por exemplo: quando se falava do Reino de Deus no tempo do reino de César, significava a negação do poder de César.

Onde está o Reino de Deus ou o Reino dos Céus?
Muita gente ainda pensa que o Reino dos Céus é só depois da nossa morte.
O Reino que Jesus revelava e queria que se realizasse era o Projeto do Pai de salvar e libertar toda a humanidade trazendo-lhe felicidade plena. Projeto que consiste na vivência da justiça, da fraternidade, da liberdade, da paz, do serviço, da alegria e da fé.
Foi muito difícil entender que tipo de reinado Jesus estava anunciando e prometendo. Depois da vinda do Espírito Santo os seguidores de Jesus perceberam o que era a Boa Notícia do Reino.
Para que os seus discípulos e o povo entendessem a Boa Notícia, Jesus lhes falava por meio de parábolas.
As parábolas foram o meio que Jesus escolheu para falar sobre as maravilhas de Deus e de seu Reino.
Há no evangelho algumas dezenas de parábolas que visam explicar esse Reino que a pessoa deve despertar e desenvolver dentro de si.
O povo não entendia o que na realidade era esse Reino. Jesus falava dele através de comparações e analogias.
Dizia só o que era semelhante a esse reino... “semelhante a um grão de mostarda” (Mt 13,31-32)... “a uma mulher que põe um pouco de fermento na massa” (Mt 13,33)... “a um comprado que procura pérolas preciosas” (Mt 13,45-46)... “a uma rede lançada ao mar” (Mt 13, 47-50)... “a um tesouro escondido” (Mt 13,44).
Jesus afirmou que o Reino de Deus não tem o mesmo sentido de um reinado dominante, de um modelo político que assume o poder numa sociedade onde há mordomias, súditos, privilégios. O Reino de Deus não é algo que vem de fora. O Reino de Deus está dentro de nós, entre nós, como uma semente. Esse Reino de Deus existe em todas as pessoas; mas, na maior parte está dormente, em fase embrionária. Muitos não sabem que o Reino é uma maneira de viver. Compete aos catequistas despertar nos corações dos catequizandos a existência dessa semente do Reino para que cresça no mundo a Vida: a justiça, o amor e a liberdade.
Viver o Reino de Deus, aqui e agora, significa uma contínua conversão, uma mudança de vida: “O Reino de Deus está próximo. Convertam-se e acreditem na Boa Notícia” (Mc 1,15).
A Igreja é chamada a viver as exigências do Reino. A Igreja deve ser o modelo, a amostra do que é o Reino como Jesus propôs.

A IGREJA É SINAL E SACRAMENTO DO REINO

O Reino de Deus é mais amplo e abrangente do que a Igreja.
A Igreja está a serviço do Reino. Todas as pessoas, todos os povos que vivem os valores do Reino (paz, justiça, fraternidade, partilha...) pertencem ao Reino de Deus.
Como catequistas estamos a serviço do Reino, que é crer e vivenciar o que aprendemos pela fé. É viver o amor de Deus em união com os irmãos.

· Ler o capítulo 13 de Mateus, descobrindo e partilhando no grupo as comparações do Reino de Deus.
· Como podemos anunciar isto aos catequizandos e ser sinal do reino de Deus de forma clara e convincente?


Fonte - Folheto Ecoando 10 - formação interativa com catequistas - Editora Paulus

Nenhum comentário: